sábado, 5 de março de 2011

Que "sentido" há no modo de leitura?

Olá, meus caros leitores. Há muito não trago nada pra sua leitura. Mas hoje resolvi rabiscar algumas linhas para vocês.

O anuncio de uma antologia voltada ao estilo mangá produzido aqui no Brasil, atualmente está causando um certo alvoroço ( o que é algo bom, pois quanto mais atenção melhor).

Trata-se do projeto AÇÂO MAGAZINE, sob o comando de Lancaster, conhecido de muitos amantes de animes e mangás pelo seu Site Maximum Cosmo.

Vai ai o link pra quem queira mais informações sobre esse novo projeto direto da fonte: http://www.interney.net/blogs/maximumcosmo/2011/02/21/almanaque_acao_magazine/

Pois bem, é um projeto que tem tudo pra dar certo, mediante a credibilidade e estrutura do mesmo ( e eu como produtor de quadrinhos torço muito pra que dê certo! ^^).

Mas, não é bem disso que venho tratar aqui.
O que vem me chamando a atenção em comunidades e blogs em que se fala sobre o anuncio dessa antologia de mangás nacionais é uma certa preocupação de um pequeno (espero mesmo que seja pequeno ¬¬) contingente de leitores que acompanham essa noticia desde os seus primórdios: o fato da preocupação de "em que sentido de leitura serão publicados os trabalhos". ¬¬

Eu realmente acho isso desnecessário, visto que estamos no "brasolis" e nossa leitura é da esquerda pra direita, ou seja, sentido ocidental, porque, caso muitos não tenham notado, o Brasil FICA no ocidente.

É também interessante pensar como muitas pessoas, que eu mesmo considero puristas, ou modistas, acham que o sentido da leitura é uma elemento chave na produção do que se chama MANGÁ : " há....se não é com leitura em sentido oriental, não é mangá" ou " tem que ser sentido oriental se não perde sua identidade".

Identidade... é o que muitos que se prendem ao estilo que os japoneses usam, porque tal estilo funciona porque foi pensado e produzido para o próprio JAPÃO, parecem não ter...Mas isso não é assunto pra se discutir aqui.

Eu posso até estar errado, mas sempre pensei que mangá fosse um estilo narrativo dentro da arte seqüencial que se diferenciava dos demais pela sua estética, sua dinâmica impar e seus elementos gráficos, e não pelo sentido de sua leitura, ou o país onde é feito. Mas, sei lá...eu posso estar errado quanto a isso O.o

Ainda na parte de IDENTIDADE por assim dizer, eu gostaria de citar um exemplo de uma produção que vem crescendo a olhos vistos, Os Manhwas. É claro que se tem em mente que esse estilo de quadrinhos coreano apenas usa alguns do elementos do mangá. Porém, muitos artistas coreanos que tendem a ser fiéis ao estilo narrativo ao produzir seu MANGÁ, mantém o sentido da leitura em harmonia com o sentido de leitura do lugar onde foi produzido e será comercializado, ou seja da esquerda pra direita, pois é como eles lêem, afinal. Mas o interessante é que lá, diferente daqui, não há essa preocupação com o sentido da leitura, e sim com a qualidade da obra em sí - o que deveria ser motivo de preocupação, de fato - Tanto que o mercado de produção de quadrinhos coreanos vem crescendo muito.

Independente de ser Comics, Fumetti, Europeu, Mangá ou o que seja, creio que o necessário seria um pouco mais de bom senso, e um pouco menos de alienação e sonhos de viver como os niponicos ( a não ser que queira cortar os pulsos porque nasceu aqui, na terra do rebolations O.o)

Preocupação é algo comum e aceitável quando se espera por um projeto como esse que esta por vir, mas quando detalhes como sentido de leitura são colocados na frente de quesitos como "qualidade de arte e roteiro" passa a ser algo a se preocupar (meio trocadilho mais ta valendo.)

e essa ultima parte eu dedico aos chamados "futuros mangakás brasucas" que preferem se descabelar por que talvez essa antologia não vá aceitar seus trabalhos porque foram feitos no sentido oriental, do que se preocupar se de fato está produzindo um trabalho de qualidade boa, agradavel de se ver e ler.

mas em fim, isso é assunto pra outra hora.... Nos vemos depois ( se eu estiver vivo O.O)

Abraço!



PS: mais Assuntos interessantes de se discutir? Procure na parte "INOVA-X PENSA"



1 Pitacos gêniais:

soni disse...

É ridículo o artista não seguir a "linha editorial" da revista. A AM é feita no sentido ocidendal, então o artista deve ter o bom senso e inteligência de enviar histórias no sentido que o editor pede. O fato de estar certo ou errado não cabe no fato de que se perde oportunidades pensando que o sentido de leitura influencia na qualidade. Regras são regras, se a editora aceita trabalhos no sentido oriental, vc pode até fazer, mas caso contrário, é burrice bater a cabeça.

Postar um comentário